Sábado, 9 de Junho de 2007

Mano Negra / Manu Chao

 

Nos finais dos anos 80, a música pop parecia-me que estava a definhar. O rock aparvalhava-se com bandas como Europe e Bond Jovi , a música de dança electrónica dava os seus primeiros passos tremidos e pelo meio os tops eram dominados por personagens como Samantha Fox , Duran Duran ,  Aha e Rick Astley . O mundo parecia ter sido contagiado por aquele positivismo ridículo do filme Demolition Man " onde numa sociedade aparentemente pacífica, as pessoas se tornaram insípidas, fúteis e... basta dizer uma palavra: chatas. Sim, declarei guerra aos anos 80 e ao estúpido boneco amarelo do smile e orientei a minha atenção para o subtil movimento neo-punk que estava a surgir na Europa, sobretudo em Espanha. E foi na televisão espanhola que descobri os Mano Negra. Finalmente um pouco de acção:

 

O que me agradou nos Mano Negra foi o facto do seu líder, Manu Chao , ser filho de emigrantes (como eu) e de não se deixar enganar por aquela camada de paz mundial que os nossos dirigentes, tão estrategicamente, colocavam sobre os problemas do planeta. Algo estava para explodir e eu sentia-o também. Quando se olha para o céu temos de saber onde estão os nossos pés. Os Mano Negra juntaram assim um grande número de descontentes e insatisfeitos, mas (e nisto reside o génio) em vez de bater fizeram a festa.

 

 

Anos mais tarde, após e separação dos Mano Negra e já refeito da euforia anti-social que dominara a minha adolescência, estava eu numa loja de discos quando reparei no CD "clandestino" de Manu Chao . Comprei-o, mas com o receio de encontrar um cantor redundante e saudosista pelos tempos passados. Enganei-me. Os temas sociais forma retomados (sobretudo os da emigração) mas desta vez de uma forma mais... requintada . Houve quem lhe apontasse o dedo por ser um dos artistas que motivaram os acontecimentos do 11 de Setembro e o caso dos carros queimados em Paris.

 

Quanto a mim, Manu Chao é umas das figuras do momento que aprecio mais. É inteligente, inconformado e bem disposto. Não lhe atribuo culpa alguma. Quem fechou os olhos que tape agora as orelhas!

-

publicado por ikaros às 18:27
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Lisa a 11 de Junho de 2007 às 14:03
You're my pal! (I'm glad to see the layout back to normal..)

Comentar post

.Os últimos 50:

. Pequena história infantil...

. Voltei com um novo espíri...

. Pequena história infantil...

. último post

. O cubo

. 11 de Abril

. A conspiração francesa

. Orlando

. Freya Stark

. Christiane F.

. A CENSURA

. O culto da cultura

. Forguette Mi Note

. Os profetas da desgraça

. Sidarta - Hermann Hesse

. Glam Rock

. Dogville

. Emir Kusturica

. Antoni Gaudi

. Italo Calvino

. Beck

. Papa Luna

. Terry Gilliam

. Friedrich Nietzsche

. Mestre Ambrósio

. Chico Buarque

. O Auto da Compadecida

. Mano Negra / Manu Chao

. A bonecada

. Sexo & Corn Flakes

. Gabriel Garcia Marquez / ...

. La Haine

. Jacques Brel

. Jean-Pierre Jeunet

. Marvel

. Penguin Cafe Orchestra

. The Cure

. Milan Kundera (A Insusten...

. Richard Scarry

. Monty Pythons

. Jogos para a carola

. Dark Cabaret

. Albert Camus

. Os heróis da TV

. Jan Saudek

. Stand by me

. A guerra do fogo

. Margarida e o Mestre

. Hedningarna

. Chapi Chapo

.A lista toda

Abril 2008 Março 2008 Fevereiro 2008 Janeiro 2008 Dezembro 2007 Novembro 2007 Julho 2007 Junho 2007 Maio 2007 Abril 2007 Março 2007

.links

.visitante nº

Web Counters

 

  

blogs SAPO

.subscrever feeds